A nossa polícia tem que responder a altura", diz César Grubba sobre mortos em confrontos

Data: 10.Set.2014
Fonte: Jornal de Santa Catarina


Clique aqui e leia matéria direto da fonte.

O secretário da Segurança Pública em Santa Catarina, César Grubba, detalhou a proposta da agenda nacional da área que sugeriu na abertura da 12ª conferência da Associação Internacional dos Chefes de Polícia (IACP), nesta quinta-feira, em Florianópolis.

 

Em entrevista ao Diário Catarinense, Grubba também falou sobre drogas e as mortes ocorridas este ano em confrontos com as polícias, cujo índice aumentou 73% este ano em comparação com o mesmo período do ano passado.

 

Em 2014, até a semana passada, o número de mortes em confrontos policiais chegava a 62. No mesmo período de 2013 foram 36, ou seja, o índice aumentou 72%.

 

Diário Catarinense — Como pode avançar essa agenda nacional da segurança pública?
César Grubba — Conversando com os secretários de segurança pública em torno de uma mesma agenda, de um mesmo propósito, abraçados com os comandantes-gerais das polícias militares e os delegados-gerais das polícias civil e todas as pessoas que pensam a segurança pública no dia a dia.

 

DC — O que o senhor elencaria como prioridade nesse momento?
Grubba — São várias, o combate às drogas — de pensarmos essa questão que se procura legalizá-las — que são o grande flagelo da humanidade, o desarmamento — temos feito operações em conjunto —, e a mudança da legislação penal brasileira.

 

DC — O senhor é a favor da legalização de alguma droga?
Grubba — Sou contra. O uso das drogas só em casos medicinais, fora isso sou absolutamente contra.

 

DC — E a questão das mortes em SC em confrontos com as polícias (houve aumento de 73% este ano em relação ao mesmo período do ano passado). O que está acontecendo?
Grubba — Ultrapassamos todo o número de mortos em confronto policial do ano passado. O bandido está mais ousado, mais armado e está indo para o confronto. A PM, a Civil e a Deic, dão voz de prisão e eles vêm ao confronto. A nossa polícia tem que responder a altura. Importante é que o tombamento ocorra no lado de lá, do criminoso e não do policial.

 

DC — Nas redes sociais a população fala que bandido bom é bandido morto. O que acha disso?
Grubba — O ideal não seria isso, e sim a prisão do bandido, cumprimento de pena e a ressocialização, mas nem sempre isso é possível. Com o aumento da criminalidade, a população se sente insegura e essa é uma forma de manifestação.

#

Rio de Janeiro
Rua Salvador Allende, 6.555
Barra da Tijuca - CEP: 22870-160
Rio de Janeiro - RJ - Brasil
Tel: (21) 2441-9100 | Fax: (21) 2441-9398
São Paulo
Rodovia dos Imigrantes, km 1,5         
CEP: 04329-900
Tel: (11) 5067-1760